Utilizamos cookies para aprimorar sua experiência em nosso website. Ao continuar navegando por este website, você concorda com o uso de cookies. Para saber mais, leia Cookies

Especial Relva - Parte 2

Neste artigo, continuamos co as perguntas sobre a relva. Leia as informações interessantes sobre os vários tipos de relva e sobre os trabalhos de monda de ervas daninhas e escarificação.

Tipos de relvado
Tem razão – existem realmente diferentes tipos de relvado. Mas, como jardineiros, utilizamos os termos de formas diferentes: falamos de "tipos de relva" para nos referirmos a diferentes espécies de relva numa mistura de sementes (misturas normais de sementes), por exemplo, variedades de festuca ou lolium. E falamos de "tipos de relvado" para nos referirmos a relvados ornamentais, públicos, desportivos ou outros relvados paisagistas – porque têm diferentes funções. Por exemplo, um relvado ornamental não é tão resistente à pressão num jardim doméstico como um relvado público, que se adapta melhor a jogos de crianças (muitas vezes referido como "relvado para jogos"). Contudo, este tipo de relvado não é o mais adequado para um estádio de futebol, porque aí a relva está sob uma pressão muito maior. Os campos de futebol requerem relvados desportivos próprios. A mistura de sementes define o tipo de relvado com maior detalhe. Afinal, existe a mistura de sementes certa para cada tipo de relvado.

Regar relvados
Tradicionalmente, a relva é muitas vezes regada com aspersores. Se isto for feito de dia, alguma da água evapora-se sem ser utilizada. É por isso que os sistemas de poupança de água mais inteligentes e eficazes estão cada vez mais a ganhar terreno. A solução mais elegante – que é mais ou menos a norma para os profissionais – reside nos aspersores pop-up. Já se encontram excelentes jardineiros paisagistas que se especializaram em colocar este tipo de aspersor. O investimento num sistema deste tipo dá-nos algum descanso durante anos, permitindo aos proprietários dos relvados regar confortavelmente a sua relva, bastando para isso pressionar um botão ou utilizando um computador de rega. No entanto, as pessoas que preferem os aspersores tradicionais podem encontrar uma variedade de soluções nas lojas da especialidade que podem ser configuradas com precisão de acordo com a forma e tamanho do relvado em questão. Como resultado, só a relva é regada – e não metade do jardim. A melhor altura para regar, de acordo com os cientistas agrícolas, é de madrugada entre as 3 e as 6 horas da manhã. Não precisa de se levantar tão cedo para fazer esta tarefa - utilize um temporizador ou computador de rega.

Fertilizar relvados
Quando corta a relva, também está a remover nutrientes do relvado: por cada quilo de aparas, está a remover cerca de 30 gramas de azoto, 20 gramas de potássio e 10 gramas de fósforo. Estes nutrientes têm de ser repostos. Os relvados ornamentais precisam de menos fertilizante do que os relvados que são pisados ou que estão sob pressão. Normalmente, os relvados são fertilizados de quatro em quatro semanas ou de cinco em cinco semanas a partir de Março/Abril, terminando com uma fertilização final no Outono para preparar o Inverno no início/meados de Setembro. No entanto, existem diferenças agora que os fertilizantes para o relvado de longa duração e fertilizantes especiais de Outono foram introduzidos no mercado. Tal como temos vindo a repetir, tem de prestar atenção às informações fornecidas pelo fabricante nos pacotes de fertilizante para o relvado. Isto também pode ajudar a responder à questão de quando poderá utilizar o fertilizante de compostagem em vez de fertilizante para o relvado. Observe a proporção de mistura do fertilizante composto - azoto: fosforoso: potássio. Para os relvados, o ideal é 10:3:3-5.

Substitutos para a relva
Sim, pode substituir a relva em alguns locais – se vir o todo como uma "construção" verde e plana. Em locais onde a relva cresce irregularmente e em áreas que não são utilizadas com frequência, pode utilizar arbustos em vez de relva. Alguns destes funcionam bem como um piso utilizado de vez em quando, motivo pelo qual são escolhidos com frequência para substituir a relva. Utiliza-se, em particular, a flor-de-mel (Alyssum montanum), a aubrieta e a leptinella, a pimpinela branca (saxifraga), a camomila romana, musgo irlandês e acaena. Tem de ter cuidado com este último porque desenvolve frutas com espinhos – não é bom para as pessoas que andam com os pés descalços. As recomendações anteriores destinam-se a áreas soalheiras. Em zonas de sombra, é melhor utilizar morangueiros silvestres (mas não Waldsteinia ternata, que não cresce suficientemente plana). Em zonas de sombra onde a folhagem pode ser um pouco mais alta, o agrião-dos-prados (tiarella), a nemésia híbrida e o gerânio-sanguíneo são aconselháveis por serem plantas verdes de florescência aperaltada e bonita.

Pavimentação em relva
A pavimentação em relva pode ser utilizada, por exemplo, para um telheiro ou para um caminho de acesso em vez de pedras da calçada. Mas não se esqueça que não cria uma superfície de andamento confortável para as pessoas que usam sapatos de salto alto, etc. Até pode tornar-se difícil para as pessoas que usam esses saltos altos entrar e sair do carro. E ainda deverá ter em conta o seguinte: quando coloca a pavimentação, certifique-se de que os blocos de pavimentação são suficientemente preenchidos com terra para que haja cerca de dois centímetros de espaço para cima até à superfície dos blocos depois de a terra ter sido compactada, de modo a permitir que os caules cresçam. Os blocos de pavimentação preenchidos correctamente até à superfície são confortáveis para se andar, mas a relva gasta-se com os sapatos, com os pneus e até mesmo com os corta-relvas, pelo que a área que pretende que seja verde vai tornando-se na realidade castanha com o tempo. 

Rebordos de relvado
Os rebordos de relvado podem dar trabalho, mas existem várias formas de poupar pelo menos um pouco de tempo. Se não fizer nada aos rebordos de relvado, as variedades de relva remanescentes no relvado espalhar-se-ão pelos canteiros circundantes, criando assim mais trabalho. Se escolher usar pedras nos rebordos para demarcar o seu relvado, é aconselhável colocá-las em argamassa. Quando o corta-relva passar por cima delas, estas não se moverão tão facilmente e a relva dos rebordos não pode introduzir-se nos intervalos das pedras. Caso contrário, uma das opções de manutenção de rebordos mais conveniente é trabalhar com um cortador de rebordos a bateria com pega comprida. Isto significa que não tem de trabalhar rente ao chão durante horas para finalizar este trabalho aborrecido.

Renovar relvados
Se existirem buracos no seu relvado depois do Inverno, isso deve-se normalmente ao facto de pessoas terem andado sobre o relvado quando este estava coberto de geada, gelo e neve. Mesmo alguém a correr rapidamente num relvado pode deixar manchas castanhas no sítio por onde passou. Normalmente, pode eliminar as pegadas das crianças através da escarificação. As falhas são preenchidas rapidamente pelos rebentos e, se for necessário, basta colocar um pouco mais de sementes de relva nesses locais. Pode remover áreas castanhas maiores utilizando uma pá plana, remexer a terra e transplantar alguma relva. Normalmente, não é necessário comprar rolo de relva para estas situações. Basta tirar alguns centímetros quadrados de relva do rebordo onde ninguém irá reparar. Poderão ser necessários trabalhos de renovação de relva maiores – ou até mesmo ressemear na totalidade – se estiver a combater ervas daninhas (consulte a secção relevante).

Minhocas nos relvados
Caro leitor da Newsletter da GARDENA, tem razão quando diz que os rastos que as minhocas deixam no seu relvado são um incómodo. No entanto, isto é o preço que tem de pagar em troca de um solo saudável no jardim criado pelas minhocas – e elas fazem realmente o seu trabalho. Não existem meios comprovados para as afastar. A sua única opção é regar intensivamente o relvado, forçando-as a vir à superfície e recolhê-las. Em seguida, pode levá-las para a horta. Mas quem é que se quer dar a esse trabalho? E a longo prazo, seria bem-sucedido? Este método só funcionará se o fizer na altura certa – antes de acasalarem e porem ovos em Junho.

Rolo de relva
Estou muito impressionado com o rolo de relva – embora seja dispendioso, tem verdadeiras vantagens. No caso de relvados domésticos pequenos, em particular, – mas também em relvados desportivos, resolve os seus problemas com apenas alguns minutos de trabalho. Só tem de aplanar a superfície, sachá-la um pouco e estender as faixas umas ao lado das outras. Pode caminhar sobre a área logo a seguir e colocá-la sob pressão decorridas duas semanas, que permitirão que as raízes se estabeleçam. O rolo de relva prolonga o tempo em que se pode andar sobre o relvado: pode começar mais cedo na Primavera porque não tem de esperar pela temperatura para semear. Além disso, pode colocar relva mais tarde no Outono, depois das temperaturas terem descido novamente abaixo dos níveis de semeação.

Relvado que tolera a sombra
Esqueça! Tudo o que ouvir que diga o contrário, não é verdade, não há nenhum relvado que tolere realmente a sombra. Toda a relva precisa de luz do sol. Existem apenas determinadas relvas que têm folhas mais largas e conseguem por isso crescer um pouco mais em locais com menos luz solar. Contudo, à medida que a sombra aumenta, até mesmo essa relva não cresce de forma satisfatória. Em locais realmente sombrios, o musgo será predominante. Mais uma vez: esqueça tudo sobre relvados "que toleram a sombra" – independentemente do que o pacote indicar!

Altura de corte
Depois de semear as sementes novas, corte a relva quando os caules atingirem cerca de oito centímetros. Corte-a até uma altura de cerca de cinco centímetros agora; quando a relva for cortada pela terceira ou quarta vez e estiver mais grossa, pode ser cortada gradualmente até três centímetros. Não existe nenhuma vantagem em deixar crescer muito a relva e, depois, cortá-la rente. Os caules precisam sempre de um determinado comprimento para permitir a fotossíntese, que é a razão pela qual é aconselhável cortar pouco a relva mas com frequência do que cortá-la muito de uma vez. Para cada corte, o princípio básico é encurtar a haste cerca de metade a dois terços, até uma altura de 2,5 a 3 centímetros. Apenas os relvados em áreas com menos sol podem ser deixados ligeiramente mais tempo, até a relva ter um comprimento de haste de cerca de cinco centímetros.

Técnica de corte
Existe mesmo uma técnica de corte ideal. Este assunto tem sido parcialmente abordado através das informações sobre o comprimento de corte: poucas vezes mas com muita frequência é melhor do que tudo de uma só vez. Mude a direcção do corte de cada vez que cortar. Caso contrário, só estará a pressionar a haste numa direcção, o que resultará na formação mais rápida de colmo na relva. Se cortar a relva normalmente para a direita, alterne com o corte para a esquerda. Ocasionalmente, deverá também cortar na diagonal, mudando de lado. Se quiser produzir um padrão de faixas como o que é usado para decorar a relva dos estádios, por exemplo, precisa de um corta-relva com um rolo traseiro. O rolo aplana a relva numa direcção, tornando visível o lado escondido mais lustroso da relva. Pode utilizar esta técnica para criar faixas, quadrados ou círculos no seu relvado.

Remover ervas
Pode utilizar variadíssimas técnicas nesse trabalho. As ervas mais pequenas como as verónicas e o trevo branco podem ser removidos com um escarificador manual. Use-o frequentemente para que as plantas sejam perturbadas muitas vezes, impedindo assim o seu crescimento até murcharem. É recomendável utilizar um escarificador maior diversas vezes em áreas maiores. Outras ervas, como os dentes-de-leão e as margaridas, podem ser removidas com um sachador de raízes ou uma faca velha de cozinha. Se for persistente, pode remover muitas ervas do seu jardim utilizando meios mecânicos. Se estiver muito preocupado, também pode utilizar um herbicida para remover as ervas do relvado. Se um relvado tiver ervas por todo o lado, significa que as ervas se sobrepuseram às sementes da relva porque as condições foram mais favoráveis ao seu crescimento. Tem aí um grave problema no seu relvado. O solo pode estar compactado (indicado através da presença de tanchagem comum), escorregadio e húmido (margaridas e dentes-de-leão), muito pobre (trevo branco) ou demasiado ácido (musgo). Deve então considerar a remoção destas áreas na sua totalidade, criar uma estrutura de solo que seja mais benéfica para os relvados, e ressemear toda a área ou cobri-la com rolo de relva. No entanto, é aconselhável consultar um jardineiro paisagista local, porque é difícil avaliar de modo profissional uma superfície sem a estudar ao pormenor. Sugestão: não utilize um jardineiro paisagista qualquer, especialmente em casos mais graves e para relvados maiores. Escolha um que tenha uma vasta experiência na colocação de relvados – como um especialista de campos de golfe – em vez de alguém que sabe como levantar muros de pedras naturais e criar lagos. 

Arganazes
Depois de se livrar das toupeiras incómodas, começam a aparecer muitas vezes os arganazes. Os arganazes abrem caminho no jardim, não parando nos legumes, bolbos ou até mesmo nas raízes das árvores. Apesar de estes pequenos animais serem amorosos, a única ajuda será as armadilhas para arganazes. Se preferir, pode utilizar armadilhas não fatais. É fácil dizer que tipo de animais estiveram a cavar no seu jardim: as toupeiras cavam um buraco oval largo (empurram a terra para os lados do seu corpo) e os arganazes criam um buraco oval vertical (empurram a terra para trás por baixo do seu corpo). 

Escarificar
Escarificar é uma tarefa extraordinária porque permite dar à relva um aspecto realmente limpo uma vez, duas ou até três vezes por ano. Remover o colmo do relvado favorece a circulação do ar e da luz até às partes inferiores da relva, deixando as hastes mais vigorosas. O fertilizante pode alcançar as raízes novamente, em vez de alimentar alimentando o musgo e as bactérias de decomposição no colmo aí gerado. E isto é com certeza útil para combater as ervas. Faça a escarificação pela primeira vez em Março, depois em meados/finais de Maio e uma terceira vez no início de Setembro. Sempre que efectua a escarificação, tal como com o corte, mude de direcção na forma como se aproxima da haste e trabalhe na diagonal alternadamente – tal como explicado na informação sobre a melhor técnica de corte acima. Depois da escarificação, adicione calcário e fertilizante e faça a ressemeação das falhas se for necessário. É recomendável proceder ao arejamento depois da escarificação.

Comments