Utilizamos cookies para aprimorar sua experiência em nosso website. Ao continuar navegando por este website, você concorda com o uso de cookies. Para saber mais, leia Cookies

Especial Fertilizante

É uma coisa fantástica: Ninguém ficaria surpreso se um canário caísse do poleiro por ninguém o alimentar. Mas embora dê comida aos seus animais de estimação, quando toca às plantas, até os amantes da jardinagem ficam surpresos quando se lhes faz esta pergunta crucial: "Fertilizou? Se fertilizou, quando, com o quê e que quantidade usou?"

Como se fertiliza?

Como estamos no Verão, quando tudo está a rebentar no jardim, queremos que use esta Newsletter Especial da GARDENA para lhe dar informações sobre o fertilizante certo para o jardim. Ouve-se sempre a mesma frase: "Isso veio do meu jardim; não tem fertilizantes!". Mas há algo de extremamente ilógico acerca deste orgulho sobre frutos e vegetais ostensivamente criados com sucesso. Se algo é grande, precisa de muitos nutrientes. É necessária uma quantidade suficiente dos ingredientes certos para que as plantas formem um conteúdo valioso. Por este motivo, é importante fertilizar cada parte do seu jardim utilizada de forma diferente da forma certa!

O fertilizante usado é irrelevante?

Não, não é. Cada fertilizante usado - quer seja composto, estrume ou fertilizante em grão - tem um efeito próprio na composição do solo. E cada fertilizante funciona de forma diferente, devido à sua composição. Finalmente, os requisitos nutricionais das diferentes plantas também são diferentes: A planta rochosa sedum tem necessidades diferentes do arbusto delfínio e os tomates também têm necessidades diferentes. 

O que todas as plantas têm em comum é que, além de vários elementos vestigiais, como o cobre, o enxofre, magnésio e outros, todas precisam de quatro nutrientes principais: Azoto - um promotor do crescimento e o principal componente das proteínas, mas também um elemento importante da clorofila; magnésio - um elemento chave da clorofila; fósforo - principalmente para promover o florescimento; e potássio para tornar os tecidos firmes e amadurecer a fruta.

Diversas plantas necessitam de quantidades diferentes destes nutrientes; para obter informações sobre as plantas que consomem mais ou menos, consulte as sugestões de fertilizante específicas abaixo.

E os fertilizantes orgânicos?

A resposta a esta questão é interessante: "O fertilizante orgânico é melhor que o fertilizante artificial?" Novamente, a resposta é: Depende! De acordo com o que sabemos sobre plantas, a própria planta não quer saber se recebe o azoto, fósforo, potássio, etc. de um fertilizante orgânico ou artificial. Só pode receber o fertilizante com uma determinada fórmula química na qual o fertilizante deve ser disponibilizado às raízes - caso contrário, não funciona. Quer receba fertilizante orgânico ou não, os nutrientes que a planta recebe não são processados de acordo com a origem, mas com base no que a planta necessita. 

A única vantagem do fertilizante orgânico é que geralmente é melhor para o solo e para as criaturas que nele vivem. Num cenário extremo, as pessoas que só usam fertilizantes minerais, arruínam os jardins a longo prazo, porque este fertilizante não fornece os nutrientes de húmus e resíduos necessários para o solo e para as criaturas que nele vivem. 

Se usar fertilizante orgânico, lembre-se que demora pelo menos três a quatro semanas - dependendo do clima - para que o fertilizante orgânico se dissipe no solo, para que as plantas possam absorver os nutrientes. Assim, para dar alimento às plantas em Abril, tem de aplicar o fertilizante orgânico (como farinha de chifre ou composto) antecipadamente em Março! A fertilização mineral faz especial sentido se quiser dar à planta muitos nutrientes relativamente depressa. E também há algo entre os dois: Fertilizantes mistos orgânico-mineral - com um base orgânica e minerais acrescentados.

Sobre o tema de acrescentar coisas: Os solos dos jardins geralmente têm demasiados fosfatos e o azoto está quase sempre em falta. Por isso, nem sempre faz sentido usar um fertilizante composto. Se adicionar muito fertilizante, o nível de nutrientes pode ser demasiado alto (e muito ajuda, mas não demasiado!). É melhor fertilizar conforme as necessidades do que usar sempre a mesma fórmula. Por exemplo, use um fertilizante de azoto/potassa, em vez de um composto de azoto/fósforo/potassa, se o solo já tiver fosfato que chegue. Como se sabe/como se descobre? De dois em dois anos, deve retirar uma amostra do solo do jardim e verificar o nível de fertilização. Isto significa que está sempre ao corrente da situação e pode até conseguir recuperar os custos da análise ao solo com o que poupa em fertilizante. Uma coisa custa mais ou menos o mesmo que a outra. Em qualquer caso, este método permite cuidar melhor do solo no seu jardim. Além disso, muitas vezes protege as valiosas águas subterrâneas, pois o excesso de fertilizante não as infiltra.

Mas chega de conhecimento prévio - passemos à prática! Vamos dar um passeio pelo jardim:

O que precisa de ser fertilizado agora? E, acima de tudo, quanto fertilizante tem de ser usado?

Para as plantas na varanda e em vasos, use um solo mineral, como uma mistura para vasos. O fertilizante armazenado pode ser aplicado com um ancinho e não é levado pela rega frequente. A reserva de fertilizante de um solo de flores de alta qualidade, normalmente adicionado pelo fabricante, geralmente dura cerca de seis semanas. O mais tardar nesta altura tem de acrescentar mais fertilizante. Por isso, eu adiciono um fertilizante de longo prazo ao solo durante a plantação - 2-3 gramas por litro de solo. É assim que dou o alimento básico às minhas plantas até Agosto/Setembro. Também adiciono uma pequena dose de alimento líquido cada semana - 0,1 a 0,2 partes por mil - ao regar (ou seja, 10 a 20 ml de alimento líquido por 10 l de água de rega). Mais uma vez: Siga as instruções do fabricante na embalagem de fertilizante!

Nos jardins de arbustos, a extensão das medidas de fertilização depende do tamanho da massa formada pelas folhas e flores das plantas. Eu só fertilizo arbustos rochosos aqui e além com uma mão cheia de farinha de chifre ou um pouco de composto (pouco mais de um litro por metro quadrado). Os arbustos de canteiro de crescimento forte podem receber até 50 gramas de fertilizante composto por metro quadrado na Primavera (em Março/Abril). Como alternativa, pode dar-lhes cerca de três litros de composto por metro quadrado. Os arbustos com crescimento mais fraco só precisam de 30 gramas ou 1,5 litros. Em meados de Junho, pode fertilizá-los novamente com uma segunda quantidade ligeiramente reduzida.

Nas hortas, a extensão das medidas de fertilização depende sobretudo do tipo de planta, pois os vegetais podem ser divididos em consumidores fortes, incluindo as couves, consumidores médios, como os tomates e os consumidores fracos como a alface. Eis algumas recomendações de fertilização individuais:

Consumidores fracos: Adicione 1 a 2 litros de composto por metro quadrado e, se necessário, azoto adicional (aprox. 70 gramas de farinha de chifre por metro quadrado) e potássio (aprox. 35 gramas de fertilizante de potássio magnésio por metro quadrado).

Consumidores médios: Adicione 2 a 4 litros de composto por metro quadrado e, se necessário, azoto adicional (aprox. 120 gramas de farinha de chifre por metro quadrado) e potássio (aprox. 70 gramas de fertilizante de potássio magnésio por metro quadrado).

Consumidores fortes: Adicione 4 a 6 litros de composto por metro quadrado e, se necessário, azoto adicional (aprox. 150 gramas de farinha de chifre por metro quadrado) e potássio (aprox. 100 gramas de fertilizante de potássio magnésio por metro quadrado).

Importante: As couves, cebolas e cenouras não devem ser colocadas em superfícies acabadas de fertilizar com estrume. Só coloque estas plantas nessas áreas no ano seguinte. Há aqui um risco de intolerância, pois alguns estrumes atraem moscas, cujas larvas podem cavar para dentro da planta.

Ao fertilizar áreas de relva, note o seguinte (conforme indicado no Especial de Relva): Ao cortar a relva, também remove nutrientes da relva: Por cada quilo de aparas, remove cerca de 30 gramas de azoto, 20 gramas de potássio e 10 gramas de fósforo. Esses nutrientes têm de ser substituídos. Os relvados decorativos necessitam de menos fertilizante do que aqueles que são pisados ou estão sob stress. Normalmente, a relva é fertilizada a cada quatro ou cinco semanas entre Março/Abril, terminando com uma fertilização final no Outono para preparar para o Inverno no início/meio de Setembro. Contudo, existem diferenças agora que chegaram ao mercado os fertilizantes de relva a longo prazo e os fertilizantes especiais de Outono. Como continuamos a repetir, tem de prestar atenção às informações do fabricante nas embalagens de fertilizantes de relva. Isto também pode ajudar a responder à questão se pode usar fertilizante composto em vez de fertilizante de relva. Observe a proporção de mistura do fertilizante composto - azoto: fosforoso: potássio. Para os relvados, o ideal é 10:3:3-5.

Para fertilizar árvores, primeiro tem de distinguir as árvores de folha caduca das perenes. Os ciclos de crescimento anual são bastante diferentes, e é por isso que necessitam de fertilizantes em alturas ligeiramente diferentes.

As árvores caducifólias necessitam de manter os seus nutrientes até início/meados de Junho e novamente a meio de Julho até meio de Agosto para uma segunda fase de crescimento. Depois disso, não deve voltar a fertilizar. Assim, aplica fertilizante às árvores caducifólias pela primeira vez em Abril (cerca de 55% das suas necessidades anuais) e em Junho (45%). Os valores variam ligeiramente para árvores de fruto e roseiras, que necessitam de uma divisão de 50/50 ou 60/40.

As perenes necessitam dos seus primeiros nutrientes em Maio e uma segunda dose, mais forte entre o final de Julho e o final de Agosto, quando estão a formar pinhas. A distribuição de alimento para as perenes é então 35/65. 

A quantidade de fertilizante também depende das necessidades da planta, ou seja da massa formada por cada planta. Para pequenas coníferas, cerca de 35 gramas de fertilizante composto por metro quadrado e por ano é suficiente; para a fertilização de manutenção de árvores e arbustos, cerca de 50-70 gramas de fertilizante composto por metro quadrado e por ano deve chegar e para árvores de fruto, roseiras e rododendros, pode ir até ao limite máximo e adicionar 100 gramas em ambas as doses. 

Note que as raízes da árvores devem conseguir aceder aos nutrientes nos momentos indicados. Se quiser usar fertilizante orgânico, tem de adicionar o período de espera para a decomposição aos tempos indicados acima.

A propósito:

As plantas de jardins de inverno e de interiores também estão na sua fase de crescimento - por isso não se esqueça de as fertilizar regularmente até Outubro. Use um alimento de plantas verdes para plantas verdes e um alimento para plantas com flor para plantas com flor - o último contém mais fósforo para promover o florescimento.

Comments